A mágica da arrumação | Marie Kondo

Sempre ouvi que a Marie Kondo é uma personal organizer referência internacional no mercado de organização doméstica, porém confesso que fui me aprofundar na sua história e me interessar por seus livros após sair a sua séria na Netflix chamada Ordem na Casa. Depois de assistir toda a temporada em apenas 2 dias, comprei seus livros e comecei por a Mágica da Arrumação e fiquei muito feliz em poder compartilhar com a Marie a alegria que é espalhar a organização pessoal para a vida das pessoas.


A mágica da arrumação é um livro de 2011 sobre destralhamento, o que é fundamental para garantir o equilíbrio e a organização da casa, por isso ter um livro tão repercutido no mercado como este é essencial para que as pessoas entendam a importância de não acumular tralha, ou seja, objetos sem uso.

Por mais que Kondo seja esse fenômeno mundial e eu siga a maioria dos seus princípios tenho alguns pontos que penso diferente. Eu sempre busco o equilíbrio tanto para mim como para meus clientes e por isso eu não gosto de ser radical com nenhum método. Acho que cada um deve aprender e seguir com aquilo que lhe faz bem. Começando pelos itens que super concordo com a Marie:

  • Quem nunca aprendeu a organizar não pode fazer: Todas as mães do mundo já mandaram seus filhos organizarem o quarto, mas quantas será que já ensinaram o seu filho a como fazer? Será que elas não ensinam porque também não foram ensinadas? Estudos apontam que menos de 0,5% das pessoas afirmam já ter estudado sobre o assunto


  • Escolha apenas o que te trás alegria: Lidar com o processo de triagem e descarte pensando que tudo vai embora e ficará apenas aquilo que nos deixa feliz é uma forma leve e fácil para conseguir fazer escolhas.

  • Só você pode organizar o seu espaço: Por melhor que seja a sua Personal Organizer se você não estiver presente para que ela entenda a sua real necessidade, rotina e forma de pensar, o projeto nunca ficará bom. Por isso, que eu apoio a forma de trabalho da NAPO dos EUA que visa o trabalho com o cliente e não para o cliente. Assim, ele participa, aprende e se beneficia enormemente da organização.

  • Mais experiência não quer dizer melhor: Fazer uma atividade por décadas não significa que você faça bem, assim como, ser iniciante não quer dizer que tenha um trabalho ruim. O que importa é o quanto você está disposto a aprender sempre.

  • Organize por categoria e não por localização: O hábito de organizar da forma como Marie sugere ajuda a evitar que objetos fiquem espalhados pela casa, criando uma casinha para cada categoria morar é mais fácil lembrar o endereço de todo mundo depois.

  • O descarte não elimina a lembrança: Quando descartamos algum objeto que carrega uma boa recordação não estamos eliminando o acontecimento e sim, apenas o objeto para que ele dê espaço para que novas boas lembranças possam vir. “Não devemos celebrar apenas as recordações, mas sim a pessoa que nos tornamos por causa das experiencias que tivemos.”

Apesar de ser contra a tralha, ela gosta de agradecer e se relacionar de forma afetuosa com os objetos, quase como se eles estivessem vivos. Eu acho que ela traz muitas dicas certeiras como algumas que eu citei acima, porém é bastante radical em outros aspectos que eu descordo, como:

  • Como organizar: No livro a Marie defende que para uma organização ser eficaz ela deve ser realizada em uma só tacada. Ela acredita que a casa deve ser organizada toda de uma vez, o que é viável para quem tem tempo, está de férias ou pode contratar uma Personal Organizer para ajudar. Mas, a realidade é que a maioria das pessoas tem poucos minutos disponíveis no dia e eu acredito que mesmo que seja aos poucos é possível se organizar sim.

  • Usar o chão: Para mim esse é um ponto muito contraditório do livro porque ela tem uma relação tão intensa com o objeto, quase que sagrada, e na hora de organizar ela sugere que os itens sejam todos colocados no chão. Eu, pelo menos, jamais trato meus objetos colocando-os no chão, muito menos os de um cliente.

O discurso dela pode ser novidade para o público em geral, mas já é notícia velha para quem trabalha como Personal Organizer. Contudo, eu recomendo a leitura fortemente a todas as profissionais da área, pois ela compartilha muitas histórias das experiências dela sobre o que deu certo ou não com seus clientes e familiares e acho muito válido aprender com os “erros” de quem já ousou caminhos diferentes.


E você, já leu esse livro? O que achou? Ou ainda está pensando se vale a pena ler?Gostaria que eu escrevesse sobre os outros livros dela ? Me avisa aqui nos comentários.


Boa leitura! =)





___________

Se você tiver alguma curiosidade, dúvida ou ponto de melhoria ficarei feliz em saber! Pode deixar aqui mesmo ou enviar para arq.larissacampos@gmail.com. Para conferir outros conteúdos diariamente, siga o instagram @arq.larissacampos. Se quiser, fique a vontade para sugerir temas para os seguintes! Até a próxima =)

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Branca Ícone Pinterest

@2016 - 2020 por Larissa Campos